As fusões e aquisições nas empresas familiares

As fusões e aquisições são operações econômicas recorrentes no cenário empresarial. Enquanto a primeira reside no agrupamento de duas ou mais empresas originando uma nova, a segunda consiste na compra de uma empresa, muitas vezes de menor porte ou que está passando por dificuldades financeiras, por outra. Em ambos os processos ocorre uma integração de operações, organização, estratégia e controle do capital.

O processo de operações das fusões e aquisições no Brasil está em destaque, como é natural nos períodos de crise. Alguns negócios, seja por azar ou por incompetência de seus gestores, acabam por ceder, abrindo espaço para que empresas de maior porte e faturamento ampliem ainda mais sua área de atuação por meio da aquisição. No mesmo cenário, algumas empresas menores, startups ou que estejam atravessando dificuldades financeiras acabam se fundindo, juntando suas forças e tornando-se uma só empresa. Seja como for, o fenômeno da consolidação de empresas e negócios em vários setores se baseia nas fusões e aquisições e têm sido adotadas como estratégia de crescimento ou gestão de crise.

Outro fator determinante no aumento dos fenômenos de fusões e aquisições no cenário empresarial do país – e por que não dizer, do mundo – é a presença cada vez maior e mais voraz da competitividade. Em um mundo onde o mercado é praticamente uma instituição financeira onisciente e onipresente, cada vez mais empresas se lançam neste cenário. Com essa enorme variedade de negócios, é evidente que, em alguns momentos, duas empresas podem acabar disputando um mesmo público-alvo, a mesma fonte de renda ou um mesmo tipo de serviço. E isto acaba deixando as coisas um pouco mais “quentes”, fazendo com que os fenômenos aqui citados apareçam como estratégias para minar a concorrência. Isso aconteceu recentemente no Brasil com a transnacional Coca-Cola Company, que adquiriu a empresa fabricante do Guaraná Jesus, uma vez que a empresa, ainda que local e de porte infinitamente menor ao da Coca Cola, estava prejudicando as vendas dos refrigerantes da marca em certas localidades do Brasil

Continue Lendo »


Empresas familiares e o paradoxo da sucessão

Se observarmos, um expressivo número das empresas que se destacam no Brasil e no Mundo, são empresas familiares. Essas, atuam em diversos setores e mostram que podem ser modernas e competitivas, mesmo com uma grande presença familiar no seu controle acionário ou até em sua gestão operacional. E é sobre isso que vamos pensar estrategicamente hoje!

A economia de grande parte do mundo capitalista está alicerçada nessas organizações. Estabelecer essa representatividade, contribui para o aprimoramento de políticas públicas relacionadas ao empreendedorismo e ao sistema de produção doméstico, sem, contudo, ignorar outras variáveis relacionadas ao capitalismo.

E com o Brasil não é diferente! Quando estudamos o passado do país, vemos que a história da nossa economia foi escrita por esse modelo de negócio. Grandes indústrias que nasceram das necessidades regionais, somadas ao esforço pessoal de homens, mulheres e seus filhos, são hoje companhias de padrão e reconhecimento mundial.
Continue Lendo »


As ambições das novas gerações


Segundo pesquisa, sucessores de companhias familiares almejam deixar a própria marca nas insti
tuições e apostam em conhecimento técnico e experiência para conquistar espaço estratégico nas empresas

Pesquisa da consultoria PwC entrevistou representantes de 268 empresas familiares de 31 países e concluiu que os herdeiros têm se preparado mais antes de assumir cargos estratégicos nas organizações, o que aponta um caminho de maior profissionalização nesse tipo de companhia. Entre os membros da nova geração, 70% acumulam experiências em instituições externas, “o que quer dizer que eles conhecem o mercado e o funcionamento de negócios diferentes para levar conhecimento para dentro das firmas familiares”. É o que aponta Fabiano Tessitore, gerente de Auditoria e sócio da PwC Brasil. Em geral, os herdeiros começam de baixo e avançam de forma constante na empresa rumo ao topo. Isso é importante para fugir da impressão de que eles estão ali apenas por serem da família.

Continue Lendo »


As diferenças entre empresas familiares nos EUA e no Brasil

Para especialista, a diferença na gestão de uma empresa familiar do Brasil em relação às companhias do mesmo tipo dos Estados Unidos acontece na base: a cultura empresarial lá é bem mais forte.

Você já deve ter ouvido falar que nos Estados Unidos as coisas são diferentes, mais rápidas ou, até mesmo, melhores. Mas será esse o caso na administração das empresas? Qual seria a diferença entre uma empresa familiar no Brasil e uma nos EUA?

Continue Lendo »


Sonho do fundador: a continuidade da empresa familiar

Entender a cultura existente na empresa familiar auxilia o processo sucessório e facilita a gestão do herdeiro

As empresas familiares são a forma predominante de empresa em todo o mundo. Elas ocupam uma parte tão grande da nossa paisagem econômica e social que se quer nos damos conta. Além disso, esses empreendimentos são de extrema importância para o país, já que representam 20% do PIB (Produto Interno Bruto) nacional.

Continue Lendo »


O grande desafio do novo presidente da empresa familiar

Processo de sucessão deve passar por vários níveis e alinhamentos conceituais.

Para garantir a perenidade da empresa familiar de maneira adequada é preciso que o todo o processo sucessório seja realizado paulatinamente e estruturadamente. Paulatinamente porque estamos tratando da escolha do novo líder de uma instituição – seleção esta que deve ser realizada através de um mapeamento inicial dos futuros lideres familiares desde a tenra idade.

Estruturalmente porque o processo de sucessão deve passar por vários níveis e alinhamentos conceituais. Não existem dados estatísticos consolidados no Brasil sobre empresas familiares de médio porte, mas os processos sucessórios estão apresentando uma duração inferior a sete anos e em muitos casos a sucessão tem sido feita de maneira mais imediatista.

Continue Lendo »


Herança não garante sucessão na gestão da empresa familiar

De acordo com Pedro Podboi Adachi, existe uma grande confusão entre herança e sucessão em empresas familiares

Ser o herdeiro do negócio não significa que você será necessariamente o sucessor na direção da empresa familiar. A própria legislação brasileira promove essa confusão ao usar o termo “Direito das Sucessões” para disciplinar normas que regem a herança, mas é preciso tomar cuidado.

O alerta é do consultor em empresas familiares Pedro Podboi Adachi, que ressalta que ser herdeiro não significa que a sucessão está pronta ou que será concretizada quando o fundador não estiver mais no comando.
Continue Lendo »


Como grandes empresários resolvem problemas de sucessão em empresas?

Fazer uma sucessão não é tarefa das mais fáceis, ainda mais quando este processo transita na cúpula das empresas familiares. E o caminho para um final feliz pode estar tanto na psicanálise quanto nas boas práticas administrativas. Aqui veremos um exemplo real.

Quando pensou no futuro da Dudalina, empresa que fundou um tanto acidentalmente, fruto de uma compra excessiva de tecidos, em 1957, Adelina Hess viu que ele, o futuro, era bom. Mas só se a empresa sobrevivesse à própria família. É que a fundadora teve 16 filhos, e ela intuía que o dia em que os filhos de seus filhos chegassem ao comando seriam dezenas e dezenas de acionistas a exigir seu quinhão do negócio. A confecção poderia não resistir.

Continue Lendo »


3 Coisas que você precisa saber sobre trabalhar em família

Empresas familiares são as grandes responsáveis pela geração de empregos no nosso país. O Brasil é um país de negócios familiares e tal fato resulta em diversas implicações, tanto boas, quanto ruins. Segundo o IBGE, 90% das empresas brasileiras são familiares e deste total, 30 % alcançam à 2ª geração e somente 15% chegam na 3ª. Aqui você acompanha, 3 coisas importantes sobre trabalhar em família e tudo que isso irá implicar nos negócios.

Continue Lendo »